Mês de Missões: Almas libertas e batalha contra a idolatria em Lavras da Mangabeira

O campo missionário na cidade cearense de Lavras da Mangabeira teve início no ano de 2010. O primeiro obreiro local foi o pastor Antônio Reginaldo Meneses, (que, após 10 anos à frente desta Obra, atualmente é o ministro presidente da IBC localizada na cidade gaúcha de Viamão). Em seu lugar, assumiu, no início deste ano, o evangelista Glepson dos Santos Arrais. Juntamente com sua família,  – a esposa, Marilene, e a filha, Sara Vitória, o obreiro trabalha pela Causa do Mestre, recebendo subsídios da IBC São Leopoldo, igreja responsável pelo campo missionário, e que tem como ministro presidente o pastor Márcio Reus da Silveira.

Dentre as atividades no campo missionário de Lavras da Mangabeira são realizados cultos no Distrito de Arrojado, e também, um trabalho voltado à evangelização de crianças. Esse é o primeiro campo assumido pelo evangelista Glepson, que já tem testemunhos para contar a respeito do agir de Deus, como é o caso de uma senhora vizinha da Igreja. Ela, que antes vivia oprimida pelo uso de cigarro e bebida alcóolica, além das brigas que travava com os vizinhos, ouviu a Palavra de Deus e o Espírito Santo agiu em sua vida, libertando-a dos vícios e das discórdias. Agora em seu lar reina a Paz, e as músicas mundanas que antes eram ouvidas ali, deram lugar aos louvores ao Senhor. Até mesmo o marido dela já reconhece o milagre feito por Deus em sua esposa e, também foi visitar a Igreja.

No ano de pandemia o maior desafio da Obra foi o receio das pessoas em receber visitas em suas casas, porém, com os casos de Covid19 começando a diminuir, Glepson acredita que haverá mais abertura para levar o Evangelho aos moradores da cidade. Além das precauções por conta da pandemia, outro impedimento é a idolatria existente no local:

“Aqui no Ceará, e acredito que em todo o Brasil, a idolatria é uma parte cultural enraizada nos corações dos cearenses. Mas alguns, apesar de cultivarem a idolatria, sentem a necessidade de ouvir o Evangelho. Agora que podemos fazer culto ao ar livre, pessoas que estavam dentro de suas casas saem à rua para ouvir a Palavra, e alguns se aproximam e se alegram. Vemos que muralhas estão caindo, pois o Espírito Santo age em suas vidas.”

Ainda segundo o evangelista, quando assumiu o campo, já estavam congregados ali alguns membros que foram convertidos a Cristo durante a gestão do pastor Antônio Reginaldo Meneses. Estes, que estão bem instruídos na Palavra de Deus, tem ajudado bastante o novo obreiro em sua missão.

 

 

 

 

Publicações Relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *